terça-feira, 25 de dezembro de 2007

Máquina do Tempo Portátil - Parte I

Máquina do Tempo Portátil – Parte I

Hay-on-Way, no País de Gales, tem apenas 1900 habitantes e 30 livrarias, o que dá uma média invejável de uma livraria para cada 66 habitantes. Até a década de 1970 era apenas uma pequena cidade-mercado situada em uma região tipicamente rural. Tudo mudou em 1977, quando Richard Booth, o dono de uma loja de livros usados auto-proclamou-se “Rei de Hay-on-Wye” em uma bela jogada de marketing. A cidade virou uma meca para os amantes de livros e passou a sediar um dos festivais literários mais importantes do mundo. Um domingo chuvoso em Hay-on-Wye era tudo que eu pedira aos deuses naquele início de inverno. Perambulando pelas ruelas em meio às típicas construções em pedra, logo fui me refugiar em um dos melhores sebos da cidade.
Ali, por motivos óbvios, depois de vagabundear pelas estantes repletas de romances e livros de viagem, fui até o setor de esportes, subseção futebol, é claro. Foi ai que caiu em minhas mãos uma máquina do tempo portátil. Pelo aspecto ninguém poderia julgar assim: um pequeno objeto tridimensional retangular feito de papel jornal impresso em letras bem pequenas. Um livro. Melhor dizendo, uma espécie de almanaque: o Sunday Chronicle Football Annual, edição 1950-51. Logo na capa, bem machucada depois de 56 anos, a primeira surpresa. Alem do título sobreposto a uma foto claramente retocada e pintada de um goleiro saltando para agarrar uma bola, a inscrição misteriosa “Covers all Codes” (cobre todos os códigos). Uma breve consulta ao índice resolve o enigma: o livrinho contém resultados e informações acerca dos três códigos do futebol: association (o nosso futebol), rugby union e rugby league. Ou seja, quase cem anos depois da famosa reunião que selou a separação entre o association football e o rugby football em 1863, este anuário ainda considerava valido colocá-los sob a mesma rubrica de football.
A página contendo o índice também assinala que o livro estava na sua 64a. edição anual, ou seja: este livro comecou a ser publicado em 1886, um ano após o advento do futebol profissional na Inglaterra. E, o que é ainda mais notável, dois anos antes do primeiro campeonato da Liga Inglesa, que só começou a ser disputado em 1888. Mesmo assim já havia mercado para uma obra deste tipo, o que mostra a profundidade do interesse do público inglês.
Para começar, há os placares de cada um dos jogos disputados na temporada de 1950-51 em cada uma das três primeiras divisões do futebol inglês, da Liga Irlandesa e da Liga Galesa, bem como das três principais divisões do futebol escocês e da FA Cup. Esta ultima competição é a mais antiga do mundo, tendo sido iniciada em 1871. Com nossa máquina do tempo portátil aprendemos que em 1950 ainda era aberta a todos os clubes ingleses, inclusive os amadores. O que significou 617 clubes na temporada 1950-51. Mas também ficamos sabendo que já circulavam propostas de restringir a participação na lucrativa FA Cup aos times profissionais. Estes eram 416, de um total impressionante de 23.160 clubes. O que não incluía, informa nosso precioso livrinho, universidades, escolas e clubes de serviço. Ou seja, em 1950 havia mais de 23 mil clubes exclusivamente de futebol na Inglaterra.
(continua na semana que vem)

Um comentário:

marcelo disse...

Chefia

Tudo muito bom no Blog. E que tudo seja melhor ainda pra ti e os teus em 2008!
Grande abraço
Marcelo Badaró